terça-feira, 10 de maio de 2022

Visita Virtual - Divindades e Episódios ligados à Mitologia na Casa dos Patudos - Museu de Alpiarça.

 No dia em que a Casa dos Patudos - Museu de Alpiarça, faz 62 anos de abertura ao público, um dia dedicado à Mitologia Clássica.

Uma visita virtual orientada pelo Prof. André Ferreira, em redor das divindades e episódios ligados à mitologia clássica.
A não perder às 18h30.
Inscrições: mithosgrecoromanos@gmail.com
Atividade gratuita.

domingo, 1 de maio de 2022

Peça do mês - maio

 


Retrato de Margarida Amália Mendes de Azevedo Vasconcelos Relvas e Campos
Óleo sobre tela
José Malhoa
1887
143 cm X 110 cm
CP – MA
Inv. Nº 84.261

Em Portugal é no primeiro domingo de maio que celebramos o dia da mãe. A casa dos Patudos – Museu de Alpiarça escolheu para este mês um retrato de Margarida Amália Mendes de Azevedo Vasconcelos Relvas e Campos (1837 - 1887), esposa de Carlos Augusto Relvas e Campos (1838 - 1894), e mãe de José Mascarenhas Relvas (1858 - 1929), da autoria de José Malhoa (1855 – 1933).

José Vital Branco Malhoa nasceu nas Caldas da Rainha, em 28 de abril de 1855. Com apenas 12 anos entrou para a escola da Real Academia de Belas Artes de Lisboa. Em todos os anos ganhou o primeiro prémio, devido às suas enormes faculdades e qualidades artísticas. Realizou várias exposições, tanto em Portugal como no estrangeiro, designadamente em Espanha , França e Brasil. Pioneiro do Naturalismo no nosso país, integrou o Grupo do Leão. Destacou-se também por ser um dos pintores portugueses que mais se aproximou da corrente artística do Impressionismo. Foi o primeiro presidente da Sociedade Nacional de Belas Artes e foi feito Grande-Oficial da Ordem Militar de Santiago da Espada. Em 1933, ano da sua morte, foi criado o Museu José Malhoa, nas Caldas da Rainha.

A obra apresentada é um retrato de Margarida Amália Relvas, numa pintura de grande formato, de circunstância, em torso com um vestido preto e apoiada num móvel, outra rosa guarnecendo o peito, a cabeça destaca-se da brancura de gola, Segura na mão direita um leque azul, a qual assenta no espaldar da cadeira, estando sobreposta pela mão esquerda, apresenta uma caracterização fisionómica opaca.

A moldura é de madeira e gesso dourado, decorada por folhas de acanto, arabescos e folhas de loureiro.

quinta-feira, 14 de abril de 2022

Dia Internacional dos Monumentos e Sítios – 18 de abril de 2022


Realiza-se no próximo dia 18 de abril o Dia Internacional dos Monumentos e Sítios, instituído pelo ICOMOS Internacional (Conselho Internacional de Monumentos e Sítios).
O tema do ano de 2022 é: Património e Clima.
O Dia Internacional dos Monumentos e Sítios, foi instituído em 1982 pelo ICOMOS e aprovado pela UNESCO no ano seguinte.
A temática deste ano tem como finalidade reconhecer o potencial do património cultural na construção de uma ação climática inclusiva, transformadora e justa, através da salvaguarda de todos os tipos de património cultural contra os impactos climáticos adversos, da construção de respostas informadas a situações de desastre, da implementação de um desenvolvimento sustentável resiliente ao clima, numa perspetiva de equidade e justiça.
O Dia Internacional de Monumentos e Sítios, 18 de Abril, será comemorado pelo Município de Alpiarça/Casa dos Patudos - Museu de Alpiarça com o seguinte programa:
Visitas Guiadas Gratuitas à Casa dos Patudos - Museu de Alpiarça Horário das Visitas
(10h15; 11h00; 11h45; 14h15; 15h15; 16h155; 17h00).
Atividades para o Pré-Escolar
Manhã – 10h00 – 11h30
Tarde – 13h30 - 15h00
- Vamos descobrir a cozinha dos patudos" - Visita animada à cozinha
- Primavera na ponta dos dedos" - Atelier de pintura com as mãos
- Desenhar à lupa" - Atelier de pesquisa da natureza e desenho à vista.
As crianças irão ser divididas em três grupos e circularão pelas três atividades.

quarta-feira, 13 de abril de 2022

INFORMAÇÃO

Informamos que nos próximos dias 15, 16 e 17 de abril a Casa dos Patudos - Museu de Alpiarça se encontra encerrada.

A equipe da Casa dos Patudos - Museu de Alpiarça deseja a todos uma Páscoa Feliz.


quinta-feira, 31 de março de 2022

Peça do mês - abril

São Francisco de Paula

Escultura em barro policromado

Joaquim Barros

Finais do Século XVIII/Inícios do Século XIX

27 cm

CP – MA

Inv. Nº 84.121

A peça divulgada neste mês de abril é uma escultura em barro policromado, representando São Francisco de Paula, (cujo dia se comemora a 02 deste mês). Este foi o eremita fundador da ordem dos Mínimos. Nasceu a 27 de março de 1416 em Paula, Itália, no seio de uma família cristã. Os seus pais rezaram a São Francisco de Assis para poderem ter filhos e foi também a este Santo que recorreram quando o filho mais velho desenvolveu um abcesso num olho. Prometeram que se o filho (Francisco d'Alessio) se curasse usaria o hábito durante um ano completo, num dos conventos da ordem.

Aos 13 anos, após receber a visão de um frade franciscano, entra para o convento, onde passa o ano seguinte, período durante o qual dá provas de um grande amor pela oração, pela penitência e também de uma grande humildade e obediência. Após sair do convento, parte em peregrinação a locais de devoção com os pais.

Regressando a Paula, retira-se para viver em solidão dedicando-se à oração e penitência. Em 1435, juntaram-se-lhe dois companheiros e construíram três celas e uma capela, surgindo assim uma nova ordem. Com o aumento gradual dos seus discípulos, São Francisco conseguiu a permissão do arcebispo de Cosenza para a construção de um grande convento e de uma igreja. A devoção ao Santo aumentou, pelos muitos milagres que realizou.


A regra adotada por São Francisco de Paula e pelos seus seguidores foi a de uma vida de grande severidade, abstinência e pobreza, com destaque para a humildade, lema da ordem. Francisco de Paula recusou ser ordenado sacerdote, mas obteve da Santa Sé a permissão da designação de Ordem dos Mínimos, os últimos de todos os religiosos. O rei Luís XI de França nutria uma grande admiração por ele. Quando se encontrava moribundo, mandou chamá-lo para que este o preparasse para a sua derradeira viagem. Os seus sucessores, Carlos VIII e Luís XII, mantiveram-no junto da corte como consultor. Foi em Tours, França, que veio a falecer, a 2 de abril de 1507. Doze anos após a sua morte, a 1 de maio, foi canonizado durante o pontificado do Papa Leão X.

A escultura de fabrico português, da autoria de Joaquim Barros (1762-1820), representa um frade, com rosto de idoso e uma barba comprida. Este tem a mão direita encostada ao peito. Veste um hábito de cor preta pintado com folha dourada, as mangas são decoradas com motivos muito trabalhados. O santo tem à cintura um crucifixo de cor castanha, que pende de uma corda formada por duas fiadas. A forma como foi representado é em estado de total contemplação.

 

sexta-feira, 4 de março de 2022

Exposição Temporária: A mulher na coleção de arte de José Relvas

Exposição Temporária

A mulher na coleção de arte de José Relvas
Galeria da Casa dos Patudos
16h00 - Abertura da Exposição.
Estará patente de 06 de março a 10 de abril de 2022.
Entrada Gratuita.



Comemorações do 164º Aniversário de José Relvas


José Relvas nasceu há 164 Anos.
Homenageamos José de Mascarenhas Relvas (05/03/1858) com o seguinte programa:
Dia 05 de março
21h:30 – Concerto: Um Violino na Casa dos Patudos.
Salão Nobre da Casa dos Patudos.
(Entrada Gratuita)
Dia 06 de março
16h00 - Abertura da Exposição: A Mulher na Coleção de Arte de José Relvas
Galeria da Casa dos Patudos
(Entrada Gratuita)
Dias 05 e 06 de março.
Visitas Guiadas Gratuitas à Casa dos Patudos - Museu de Alpiarça.
Período da Manhã:
10h15, 11h00, 11h45.
Período da Tarde:
14h15, 15h00, 15h45, 16h30.
Aceite o convite.